1. Áries
  2. Touro
  3. Gêmeos
  4. Câncer
  5. Leão
  6. Virgem
  7. Libra
  8. Escorpião
  9. Sagitário
  10. Capricórnio
  11. Aquário
  12. Peixes

Diga NÃO: Descartar remédios no meio ambiente pode contaminar o solo e a água

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut


Cada vez mais tem se falado sobre a importância e a urgência de preservar o meio ambiente. E nesse trabalho, cada um pode fazer a sua parte. Dentre algumas atitudes muito bem-vindas estão o exercício do consumo consciente, a economia dos recursos (finitos) naturais, não jogar lixo nas ruas, o que gera a poluição de esgotos, entre tantas outras.


E uma questão muito grave, que até então passava despercebida está relacionada ao descarte de remédios de forma indevida.
 
Para quem ainda não atentou para esse problema, os medicamentos contêm substâncias químicas muito resistentes, que podem contaminar o solo e a água e não devem ser descartados no lixo ou na rede de esgoto comum. E boa parte da população não sabe desse ‘perigo’.
 
É comum sobrar comprimidos nas caixas, xarope nos vidros e até ampolas de injeção após o término do tratamento de alguns problemas de saúde. Quanto aos medicamentos que estejam dentro da validade estipulada, infelizmente o consumidor não pode devolver os remédios para as drogarias e farmácias, até porque haveria grande risco de comercialização indevida do produto.
 
Além disso, centros de saúde ou qualquer outra instituição de serviço de saúde também não devem aceitar tais medicamentos, já que são desconhecidas as reais condições de armazenamento e conservação nos domicílios, que poderiam adulterar as propriedades terapêuticas do medicamento.

Uma das alternativas para evitar o descarte de medicamentos no lixo comum e na rede de esgoto é entregá-los nos pontos de coleta para que sejam encaminhados para o descarte adequado, ou seja, incinerados. Em São Paulo, por exemplo, as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) mantém postos para o descarte de medicamentos. E até algumas redes de farmácias e supermercados também disponibilizam pontos de coleta.

Outra opção seria a compra de remédios fracionados, ou seja, comprar apenas a quantidade necessária ao uso, o que evitaria o acúmulo desnecessário. Mas, a prática é pouco comum entre as farmácias.

Pesquisas mostram que cada vez mais são encontradas altas concentrações de substâncias de fármacos no meio ambiente, em afluentes de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e em águas naturais.

“O gerenciamento e monitoramento da eficiência de remoção desses medicamentos pelos processos convencionais de tratamento de efluentes domésticos das ETEs é de grande importância pois, no futuro, podem ser necessárias mudanças, ou mesmo a implantação de outros processos de tratamento que complementem a remoção adequada dos resíduos de medicamentos”, declara Sergio Belleza, gerente da divisão de Tratamento de Águas da Argal Química.

O tratamento inadequado prejudica a troca térmica aumentando significativamente o consumo de energia ou combustível, para tal é necessário estabelecer um programa de tratamento de águas bem definido e bem monitorado.


FONTE: ARGAL QUÍMICA

  • Envie este link a um amigo
  • Compartilhe em: Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Orkut

Outras Notícias

Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário

© bemzen. Todos os direitos reservados.

Webroom Soluções Interativas